Carta a Noblat

-- Deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) --

por Marjorie Rodrigues

Noblat,

A propósito de seu post de hoje (O “fascismo do bem”), que contrasta a reação à piada de Lula com os homossexuais de Pelotas com a reação atual da esquerda a Jair Bolsonaro, algumas considerações:

1. A piada de Lula foi, sim, muito infeliz. De péssimo gosto. Inadmissível um presidente sequer proferindo a palavra “veado”, publicamente ou a portas fechadas. Mas, porém, contudo, todavia: no dia em que o Lula defender publicamente que os “veados” de Pelotas merecem tortura ou que os “veados” de Pelotas são inferiores ou que os “veados” de Pelotas não devem ter os mesmos direitos que o restante da população, aí sim as declarações dele e de Bolsonaro serão comparáveis.

2. O que Bolsonaro disse não foi apenas uma piada infeliz. Bolsonaro agride e desrespeita parcela significativa dos cidadãos brasileiros. Defende a tortura. Não há nada de “corajoso” em dizer coisas como essas — muito pelo contrário: é a mais pura covardia. Covardia de quem não admite a existência do diferente e, em vez de lidar com a pluralidade (tarefa essencial quando se vive numa democracia), quer impor sobre os outros os seus dogmas e preconceitos.

3. Sim, existe muito petista que fecha os olhos para as escorregadas que os membros de seu partido cometem. Assim como existem pessoas de direita que também torcem tudo e chamam urubu de meu louro para poder defender os politicos de seu gosto. Essa é uma atitude que não se restringe a este ou aquele espectro político. É humano defender a sua sardinha. Alguns defendem cegamente. Mas nem todos. C’est la vie. Você, como jornalista, deve (ou deveria) saber bem que não existe imparcialidade, nem por parte daquele que profere o discurso, nem por parte daquele que ouve.

4. Logo, nada mais improdutivo (e, perdoe-me dizer, até infantil) do que ficar apontado “olha! Mas tem gente na esquerda que também faz piadinha homofóbica!”, “olha! seu candidato também dá mancada!”, “a esquerda defende a sua própria sardinha!”. Somos ambos homofóbicos, Noblat. Esquerda, direita, centro, diagonal, whatever. A sociedade é homofóbica. É racista também. E é isso que faz com que Lula ache legal proferir uma piada como aquela. É isso que faz com que tanta gente vote no Bolsonaro, concordando com os perdigotos que ele solta por aí. A discussão sobre a homofobia (e também sobre o racismo) não deve ser feita com base nas atitudes deste ou daquele indivíduo, mas de nós todos.

5. Você se diz um defensor da liberdade e da democracia. Eu também. Pois então dizaí pra gente, Noblat, onde é que as declarações de Bolsonaro se encaixam numa democracia que se preze. O que é mais importante na sua ideia de democracia, Noblat? O direito de falar qualquer merda ou o direito das pessoas à dignidade, ao respeito, a serem todas cidadãs equivalentes? Na sociedade que eu quero, Noblat, não, dizer qualquer barbaridade não é um direito. Não, as pessoas não têm o direito de defender que um determinado grupo seja inferior, promíscuo, sujo, excluído, execrado, torturado, linchado. Porque isso não está no campo das reles opiniões, como dizer que prefere abacaxi a banana. Declarações como essas incitam ao ódio. “Opiniões” como essa acabam gerando agressões e exclusões de verdade, como a dos meninos atacados na Av. Paulista e os tantos outros casos que acontecem diariamente mas não chegam às páginas dos jornais. Não é apenas questão do ofendido recorrer à justiça. Porque isso não repara os danos que declarações como estas causam num grupo inteiro: baixa auto-estima. Homofobia internalizada. E por aí vai. Não foi só a Preta Gil que foi agredida pelas declarações de Bolsonaro. Na sociedade que eu quero, Noblat, as pessoas não vão aceitar que barbaridades como essas sejam ditas. Porque elas não são mesmo aceitáveis numa democracia.

6. Você, Noblat, é mais velho do que eu. Você viveu a ditadura. Sabe o que é censura. Sabe o que á patrulha. Eu nasci depois que o país já tinha feito a transição democrática. Comparar as reações das pessoas às declarações de Bolsonaro a censura ou patrulha, para quem viveu de fato a censura e a patrulha, chega a ser uma imbecilidade. O Brasil não lutou por liberdade de expressão para poder defender publicamente a opressão de quem quer que seja. O Brasil lutou por liberdade de expressão justamente porque era oprimido. E porque não queria mais sê-lo. Defender Bolsonaro com o argumento da “liberdade de expressão”, na minha opinião, é cuspir em cima da árdua luta que tivemos para tê-la.

  • fortunato

    O mesmo sintoma a que me referi. Olhem só o tom da “Carta a Noblat”, já começando pelo título: pomposo, crente que se está bradando em nome da justiça de cima de um púlpito, esperando arrebanhar uma ovação de milhões de concordantes. As intercalações de julgamento direto no meio da pretensa elegância de paladino, com os xingamentos de praxe. As palavras equilibradas para dar autenticidade de oprimido, e, nos momentos propícios, a explosão de guerra, o chamado para a desforra, a luta no chão.

    E quem foi o primeiro a dar as bençãos à Dilma eleita?

    Eu li outro texto escrito pelo Noblat, não o mesmo que a Marjorie leu. A Marjorie tomou o Noblat pelo Bolsonaro, como os desavisados fazem com o dr. Frankstein e o monstro. Ambos um só, a dupla personalidade sacrificada em nome do mais perverso. Assim facilita e dá autenticidade ao corneteamento de caça ao lobo. O uso recorrente dos arquétipos de pertença: a ditadura, o partido (sempre ativamente onipresente), e, do lado oposto, a Folha, a Veja, o Globo (sempre por detrás, insinuados), a mídia corporativa. Na verdade a única força que está falando alguma coisa é o impessoal revanchismo histórico. O único conteúdo não é o aparente (que aliás é raso), mas o profundo movimento sociológico que dá impressão que o partidarismo começou: nós, abastados pela contemporaneidade escolhida nas urnas, e eles, os do passado, os crápulas, os da zona sul, etc.

    Eu compreendi o que Noblat disse, e julgo que a Marjorie também, mas as obrigações das formalidades da retórica a motivam a compor sua “carta” dentro do dogma maniqueísta a que está condicionada. “Tornar-se medíocre é a única moralidade que faz sentido”( Nietzsche)

    Engraçado. Fala-se tanto da ditadura, mas já são 9 anos de governo de esquerda no poder, e o que foi feito para abrir os documentos militares e punir os culpados, assim como foi feito em boa parte da América Latina? O que o Lula fez nesse sentido? Não só não fez, como foi conivente em lacrar os arquivos secretos para serem abertos apenas quando até os netos do generais tiverem desaparecido da face da Terra, dando total cobertura e proteção aos assassinos. Se tem alguém a culpar pelos Bolsonaros, não seria o Lula? E olha aí o Sarney virando santo. Em diversos blogs de esquerda , o velho oligarca, o patriarca responsável pela miséria e morte de milhares de brasileiros, o chaveirinho e braço direito de generais, já foi canonizado em vida, graças ao gigantesco gesto de perdão ao passar a mão na cabeça da funcionária que pediu sua aposentadoria no twitter do Congresso. Se lembram dele aparecendo em vídeo, liso e olímpico como sempre, perdoando a pobre da mulher diante a mídia, para depois providenciar o afastamento dela de qualquer emprego público no território federal.

    E a esquerda fica preocupada com Noblat. Deviam pegar o Bolsonaro, passar uma colerinha de ouro 18 quilates no pescoço dele, e criá-lo no quintal.

  • http://ultimobaile.com Lucas Jerzy Portela

    Não é veado, é viado, com i. Porque vem de des-viado. Veado com é são os cervos e alces.

    E não há nada de infeliz no comentário, em privado, de Lula. Se algum amigo, hetero, comenta em minha presença (e eu sou viado) que “Alagoinhas é a terra que mais exporta viado na Bahia”, não há nisso laivo de homofobia, mas sim de bom-humor politicamente incorreto. Alias, só há o humor porque, justamente, nada há de ofensivo aí.

  • http://encontreinolixo.wordpress.com/ João Antonio Guerra

    Hoje, na UFRJ, não veio professor; ficamos às moscas por um tempo, mas logo adentramos numa ou outra discussão dessas como a do Bolsonaro. Um colega mais riquinho leu esse post do Noblat em voz alta pra gente. As contorções foram inevitáveis. Eu achava que as imbecilidades eram especialidade só dos comentários no oglobo.com
    Eu não poderia concordar mais com o seu post, Marjorie.

  • http://catolicismointeligente.blogspot.com Pe. Marcelo Gabert Masi

    Bolsonaro fala como a maioria dos brasileiros. Alguém quer colocar a maioria dos brasileiros, principalmente os pais e avós, no xadrez? Quem viveu no tempo da ditadura, como eu, sabe como era bem melhor. Ninguém enriquecia com discurso sobre uma luta que foi de outros. Aliás, uma luta para acabar com a democracia e implantar a ditadura sem Deus e sem família, valores que os brasileiros prezam. Os militares mantiveram a religião e a família. Obrigado, Bolsonaro!

    • Gabriel Braga

      Como pode um padre,um pastor falar atrocidades como essas?

      Os militares mantiveram a religião e a família graças a torturas e violências inomináveis.Milhares de famílias,que o senhor afirma que os militares defenderam,foram destruídas pelo arbítrio dos golpistas de 1964.

      E se o senhor realmente acha que o regime foi imposto para reafirmar tais valores,tudo bem.Afinal de contas cada um acredita no que quiser.A ditadura foi imposta pelas elites assustadas com o contínuo crescimento da participação popular na vida política nacional.

      Triste observar que ainda existem muitos brasileiros,o senhor e os eleitores do Bolsonaro são exemplos,que ainda defendem um regime que torturou,matou e condenou o País a 20 anos de atraso político,econômico e social.

      • http://catolicismointeligente.blogspot.com Pe. Marcelo Gabert Masi

        Na época a CNBB apoiou o golpe. O Brasil desenvolveu-se mais do que Cuba, donde não vejo razão em culpar os militares pelo atraso. Ou será que o militarismo nepotista dos Castro combatido pelos militares brasileiros e defendido pelos últimos governos brasileiros é justo? Já ouviu falar do “paredão” cubano? Os guerrilheiros da esquerda assaltaram, mataram e torturaram também. As FARC que o digam. Não apóio a tortura de ninguém. Lamento que a opinião pública se veja influenciada por gente que vive às custas do governo para ler a história por um filtro ideológico; o mesmo valeria se o recurso à falsificação da verdade se desse pela direita. Lamento também que muitos padres, bispos, freiras tenham aderido ao neomarxismo, situação que a cada dia se vai superando.

        • Gabriel Braga

          Em nenhum momento defendi o regime cubano.Em que pese Cuba ter tido inegáveis avanços sociais desde a revolução de 1959, não acho que seu regime seja modelo para ninguém, justamente por ser uma ditadura.Como também não eram modelo a URSS e seus satélites do leste europeu.Ditaduras são terríveis.Sejam elas de direita ou de esquerda.

          O Brasil de fato teve crescimento econômico durante o regime militar.Mas a que custo?Endividamento externo brutal e concentração de renda.O que demonstra que esse crescimento beneficiou apenas a uma pequena parte da população.

          Não entendi quando o senhor fala de filtro ideológico.As perseguições, torturas e assassinatos praticados pelos militares, apoiados pela Igreja Católica como o senhor mesmo admite, não ocorreram?São fruto de filtro ideológico ou de falsificação da verdade?

          Acho que o senhor seja um daqueles que defendem Pinhochet, Videla, Francisco Franco e outros assassinos, afinal de contas eles combateram o comunismo ateu.

        • Grillo

          Olhaí outra corrente do fomento da miséria e da mentira que está indo pra lata de lixo da história!. Padre, padre, já sabemos quem vocês são; acabou-se a manipulação da informação com o conluio à tiranias; chega da fábrica de imprestáveis santinhos do pau oco, o povo deu um basta; o analfabetismo está indo para o buraco junto com essa congregação de mafiosos vampiros vestidos de brancos, chapeu de viado enrrustido (veado com E é coisa de viado) e sapatos Prada. – o Diabo moderno calça Prada.
          Eça de Queiroz vive: o último pedófilo enforcado nas tripas do último “infalível!
          Viva o povo brasileiro! (não falei contigo não, Ubaldo).

        • Gerson Marconde

          Primeiro erro em sua colocação:

          “O Brasil desenvolveu-se mais do que Cuba, donde não vejo razão em culpar os militares pelo atraso.”

          Não! O Brasil não se desenvolveu, o que houve foi um crescimento econômico, e às custas de um enorme aumento da dívida externa. Não se pode confundir desenvolvimento com crescimento econômico. Sabe qual é a diferença entre crescimento econômico e desenvolvimento? Eu explico. Na época da ditadura militar o Brasil viveu o “milagre econômico”, que foi um crescimento econômico acelerado, mas que trouxe um outro problema, o aumento da dívida externa, pois todo aquele maravilhoso “milagre econômico” só foi possível devido a abertura ao capital estrangeiro e empréstimos do FMI ao país. Obviamente, como houve empréstimo, o credor um dia irá cobrar, como de fato fez, e isso levou o país a tirar dinheiro dos cofres públicos (dinheiro meu, seu e de cada brasileiro), dinheiro esse que deveria reverter em fundos de investimentos sociais, tais como programas de habitação, educação, cultura e saúde, para pagar juros dessa dívida. Outro ponto que deve ser levado em conta é que os benefícios trazidos “milagre econômico”, ficaram concentrados nas mãos de poucos privilegiados, ou seja, nas mão da elite dominante, fazendo com que o abismo social que separa a elite das classes sociais menos privilegiadas aumentasse drásticamente, ou seja, não houve desenvolvimento como o senhor disse, pois o rico se tornou mais rico, e o pobre mais pobre ainda. Deenvolvimento há quando a sociedade inteira (sem privilegiar uma ou outra classe) recebe a sua parcela do bolo proveniente do crescimento econômico. Logo, eu te afirmo com toda a certeza do mundo: os militares foram sim, um dos grandes responsáveis pelo atraso do desenvolvimento do país.

          Segundo erro de sua colocação:

          “Não apóio a tortura de ninguém. Lamento que a opinião pública se veja influenciada por gente que vive às custas do governo para ler a história por um filtro ideológico; o mesmo valeria se o recurso à falsificação da verdade se desse pela direita.”

          A ditadura militar torturou e matou em nome da ideologia. Se o senhor acredita que isso não seja verdade, então eu lhe questiono: porque os militares entraram com uma petição na justiça pedindo a proibição da novela do SBT “Amor e Eevolução”? E porque os militares tem pressionado tanto o governo brasileiro para que os arquivos da ditadura não sejam abertos? Quem não deve, não teme! E mais, eis aqui alguns trechos da Bíblia Sagrada para o senhor refletir (já que o senhor é um padre), “Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade. 2 Coríntios 13:8″, “E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. 2 Timóteo 4:4″, “E nisto conhecemos que somos da verdade, e diante dele asseguraremos nossos corações; 1 João 3:19″, “Porque muito me alegrei quando os irmãos vieram, e testificaram da tua verdade, como tu andas na verdade. 3 João 1:3″, “Estas são as coisas que deveis fazer: Falai a verdade cada um com o seu próximo; executai juízo de verdade e de paz nas vossas portas. Zacarias 8:16″. Seria agradável a Deus que escondêssemos a verdade?

          Terceiro erro em sua colocação:

          “Os militares mantiveram a religião e a família.”

          Torturar e assassinar é manter a religião e a família? E a família de que foi torturado e morto, como ficou? Deus se agrada com a tortura e o assassinato? Faça-me o favor!

        • Kalianne

          Existem padres e padres, eu prefiro Dom Helder Câmara:

          “Quando dou comida aos pobres, me chamam de santo. Quando pergunto porque eles são pobres, chamam-me de comunista.”

    • Geraldo Abreu

      Por causa de pensamentos como o seu é que a igreja universal está arrebanhando as ovelhas.

      • Felipe

        Não é por isso… na verdade tem pouca relação!

        O seu preconceito sub-entendido acerca da igreja universal é semelhante aos preconceitos de bolsonaro! Falta de respeito ao divergente! Eles arrebanham ovelhas porque investem pesado em midia! a propaganda é a alma do negocio.

    • Erica

      Pe, pegue o seu Deus – vingativo, mesquinho e se duvidar, homossexual enrustido como o senhor e pedófilo como a maioria dos seus comparsas – e vá para o inferno!

  • Marjorie

    Lucas — uia. Taí algo que eu não sabia. Pra mim, a associação era com a delicadeza do bicho veado mesmo. Acho que muita gente faz essa associação, mesmo que a origem da expressão seja outra.

    Na minha opinião, não se pode bater o martelo assim, Lucas. “Não há nada de ofensivo e ponto final”. Você pode não se ofender com uma piadinha como a do Lula, mas outros gays podem. O fato de você ser gay não lhe torna porta-voz de todos os gays. Se a piada parte de um termo pejorativo, que em determinados contextos é xingamento dos graves, vai da situação e da sensibilidade de cada um se ofender. Não cabe a uma pessoa, isoladamente, definir o potencial ofensor universal de uma frase.

    Beijos.

  • Marjorie

    Fortunato — gente do céu, sua capacidade de misturar alhos com bugalhos com pneus e mexericas é impressionante. De dar inveja à Eliane Catanhêde, rs. Fora essa observação, não tenho nada para falar sobre seu comentário porque acho que não tem discussão com gente que, para discordar, acha bonito já chegar chamando o outro de pretensioso e medíocre. Só converso com quem tem boa educação. Beijoca.

    http://www.interney.net/blogs/lll/2011/03/30/falta_de_educacao/
    http://www.interney.net/blogs/lll/2011/03/31/ainda_sobre_falta_de_educacao/

  • Marjorie

    Marcelo — o fato de você ser maioria não lhe dá o direito de torturar, humilhar e sufocar a minoria que pensa diferente.

    Mas acho que você se engana, viu, querido. Porque a maioria dos brasileiros, nas eleições do ano passado, votou em Dilma Rousseff, combatente da ditadura. Graças a deus (rá!), você não é maioria não. Ufa!

    • http://catolicismointeligente.blogspot.com Pe. Marcelo Gabert Masi

      A sua linguagem diz bastante sobre suas convicções.
      O povo elege Dilma como elege Collor.
      Não precisa se irritar quando alguém discordar!

      • http://www.twitter.com/samucael Samuel Vaz

        Acho que quem se irritou nessa foi você…

  • Paulo

    1. Bolsonaro jamais defendeu que gays merecem ser torturados, linchados, são inferiores e não devem ter os mesmos direitos da população. O texto já começa com calúnias.

    2. Bolsonaro exerce sua opinião com base na liberdade de expressão, tudo dentro dos limites democráticos previstos. Logo, quem não aceita a diferença é você. Sobre a tortura, só se pode aceitar tais críticas de quem não tenta justificar e/ou glorificar ações de terroristas, assassinos, seqüestradores, torturadores, assaltantes, mutiladores, estupradores, praticantes de justiçamentos e pessoas que aspiravam uma ditadura totalitária de molde fidelista no país. Se a pessoa nem sequer preenche esses requisitos mais básicos, não deve ter sua opinião sobre tortura levada em consideração.

    3. Basta traçar um paralelo dos defensores do Bolsonaro (que para você é um político desprezível) com os defensores dos políticos desprezíveis da esquerda, deixando exposta a recorrente falta de coerência de alguns esquerdistas nesse caso do Bolsonaro em especial, que a autora passa a apresentar suas justificativas de que devemos compreender tais atitudes de parcialidade.

    4. -

    5. Se você não consegue entender onde as declarações do Bolsonaro se encaixam no processo democrático é porque não sabe o que ele é. As opiniões do Bolsonaro são chocantes para os “garotinhos juvenis criados a leite com pêra” da esquerda acostumados com um só discurso. Esses mesmos não conseguem identificar nada de mais na intolerância religiosa, na defesa pública da extirpação de partidos, no vandalismo, nas ocupações de terra, no aparelhamento do Estado, entre outras barbaridades. Aí aparece um milico dizendo que não curte boiolas e todo mundo fica horrorizado como se isso fosse o suprassumo do extremismo político. Afinal, não há nada mais intolerante no mundo do que ter antipatia por homens que curtem trombas no rabo. A grande verdade é que o discurso do Bolsonaro é até assimétrico comparado com as ações da esquerda no Brasil e se destaca pela inocência travestida de um estilo verbal grosso típico de milico.

    6. A esquerda foi perseguida porque tinha planos para o país que eram perigosos e reprovados pela população, que se manifestou indo aos milhões às ruas pedindo a intervenção militar. Um movimento revolucionário gigantesco agindo sob ordens de Moscou e um movimento armado de extrema-direita com 30 mil homens foram postos pra correr sem o disparo de um único tiro. A repreensão, depois, aumentou conforme as ações terroristas aumentaram. Você sabe que as ações da guerrilha eram criminosas e tiraram a vida de civis inocentes e de militares. Em 21 anos de regime militar, foram 300 esquerdistas mortos. A guerrilha matou mais de uma centena. Isso tudo em uma época de exceção, extremamente tensa. Compare com as demais ditaduras latino-americanas e terá a noção exata da brandura do regime militar brasileiro em contornar os problemas do momento mais tenso da vida política nacional. Eu sou a princípio contra ditaduras, mas em determinados casos ela se justifica. Especialmente quando DUAS ditaduras são as únicas alternativas viáveis (não havia opção democrática) e uma delas representava a possibilidade de transformar o Brasil em um satélite da União Soviética. Veja os números da repreensão da ditadura cubana (que era o molde dos revolucionários brasileiros) e compare com os do Brasil em número de mortes, presos políticos e censura. Calcule qual representava o mal maior e o qual representava o mal menor. Diante de um cenário desses, como dizer que a ditadura militar e a censura imposta por ela não foram justificáveis? As análises das ações históricas devem se basear no contexto da época, não apenas vendo o saldo final e concluindo “isto foi ruim”, quando se sabe perfeitamente que seria muito pior se a outra alternativa possível tivesse chegado ao poder. Não é possível que se pense hoje que o correto seria permitir que os ânimos se insuflassem cada vez mais e esperar a desgraça maior ocorrer. É uma falta de memória histórica incomparável a que o Brasil vive. Graças às ações dos militares, hoje temos a liberdade para desfrutar. Se os seus oponentes tivessem vencido, só Deus pode saber como o Brasil estaria hoje.

    A autora se esforça pra mostrar que calar pessoas que representavam uma ameaça ao país num dos momentos mais tensos da vida política nacional é horrivel. Entretanto ela pensa que em plena era democrática, o patrulhamento e a espiral do silêncio são perfeitamentre admissíveis. Obviamente é uma pessoa que mede a realidade numa escala anormal. Não digo que ela seja uma pessoa má – se identifica no texto como jovem e suas opiniões são formadas a partir da visao unilateral da história que lhe foi apresentada na universidade – apenas foi lesada por professores impostores.

    • Gabriel Braga

      Mais uma viúva da Ditadura.

      As ações da esquerda armada eram perfeitamente justificáveis tendo em vista que estava resisitindo a um regime ilegítimo,responsável pela derrubada de um governo democraticamente eleito.

      Essa história de que a alternativa à ditadura imposta em 1964 era uma ditadura comunista de partido único-com a qual não concordo absolutamente-é uma balela,uma falácia.Algo inventado pelos golpistas para justificar seu arbítrio.O governo João Goulart-governo,repito,eleito de acordo com a constituição vigente à época-queria implantar as chamadas reformas de base.Nada do que estava ali proposto tinha qualquer senelhança com o programa dos partidos comunistas que estavam no poder.Portanto essa história,repetida até hoje,de que o Brasil caminhava para uma ditadura comunista e precisou ser “salvo” pelos militares é um tremendo papo-furado só levado a sério por alguém muito ingênuo ou leitor da Veja.

      Se bem que quem lê a Veja e acredita no que está lá escrito é muito ingênuo.

      • Grillo

        Viúva, não: Matrona velha gerente de cabaré de coroneis!

  • http://evolucionismo.org Eli Vieira

    Padre, chega a ser patético ver o senhor vir aqui defender a ditadura. Acorde: não existe ditadura nem existe o seu deus.

    • http://catolicismointeligente.blogspot.com Pe. Marcelo Gabert Masi

      Eli,
      seu nome me lembra Elohim!
      Mas não se irrite! Na democracia podemos ter opiniões diversas, o que não acontece nas ditaduras comunistas.

      • Kali

        nem na sua igreja se pode ter opiniões diferentes, né?

  • Claudio Azevedo

    O João Antonio Guerra quando diz “um colega mais riquinho” mostra todo o seu preconceito, ou seja, é mais um cego discípulo do Lula. “Tênis é esporte da burguesia.” ” O louros de olhos azuis foram os responsáveis pela crise econômica mundial.” “Pelotas é um pólo exportador, não é? Pólo exportador de veados…” Mas é o Lula, o cara, o cara de pau, que tem passaporte diplomático até a terceira geração.

    E Marjorie, a ditadura sem dúvida é algo abominável, um grande equívoco. Mas dizer que a Dilma combateu a ditadura também é um erro. Ela queria era implantar outra ditadura, mas nos moldes de Fidel e sua corja. Você também está mostrando que é mais uma cega discípula do Lula.

    Vamos abrir o olho pessoal. Essa galera petista ganha grana e poder em cima de pessoas ingênuas como vocês. Em debates do PT, já cheguei a ouvir os seguintes argumentos em defesa do Lula: “ele falou essas coisas porque não sabia que estava sendo filmado…” (ou seja, ele é um falso!) “Ele se associou com Sarney e Collor para se manter o poder, pensando no bem da nação!” (ou seja, é maquiavélico!) Vamos cair na real! Ou vocês também vão acreditar que o mensalão foi uma farsa? Abraços e bom dia!

    • http://encontreinolixo.wordpress.com/ João Antonio Guerra

      É, eu sou um cego discípulo do Lula. Ou isso ou usei a palavra “riquinho” porque esse colega leu o post em seu notebook. “Riquinho” não foi depreciativo, foi só a forma diminutiva mesmo, pois não é necessário ser um Eike Batista para se ter um notebook com modem (embora isso seja meio incomum entre os alunos lá da UFRJ).
      Cegueira mesmo é pegar uma postagem meramente ilustrativa e ficar apontando elementos que ela não tem. Relaxe.

      • Claudio Azevedo

        Como você reconhece ser um cego discípulo do Lula, está tudo explicado. “Riquinho”, “tênis é esporte da burguesia” não são sinais de preconceito para quem usa viseiras e só vê Lula e suas falcatruas como verdades absolutas. É uma pena ver a UFRJ sendo desperdiçada com alunos radicais. Precisamos ter a mente aberta e aceitar opiniões diversas para amadurecer. Boa sorte!

  • Claudio Azevedo

    E Marjorie, não vai na onda do Lucas não. Ele está criando origem para as palavras. “Quem inventa é inventor…” Viado significa “antigo pano listrado”. Já veado, como foi empregado no texto acima, é uma expressão chula que se refere aos homossexuais. Você escreveu certinho! O Lucas parece mais um filhote do Lula, disseminando mentiras para encobrir a verdade. Tchau e tudo de bom!

  • Claudio Azevedo

    João Antonio, é muito provável que o seu amigo seja “riquinho” porque o pai estudou e trabalhou. O Lula não estudou e não estudou porque não quis. “Lula mente, zomba da lei, menospreza quem estuda, incita a violência e faz piada com coisa séria”

    Talvez seja essa a razão do preconceito do PT com quem tem dinheiro. Errado é enriquecer com o dinheiro público.

    Do túnel do tempo…
    “Mas o que chamou mesmo a atenção foi que Delúbio chegou à sede do PT num carro preto, blindado, placa DGA 7896, dirigido por um funcionário do partido. O mesmo carro que era usado pela presidência do PT, quando Delúbio era o tesoureiro do partido.
    O veículo pertence à Rek Serviços, uma locadora de automóveis, que fica em São Paulo. A diária desse tipo de carro está em R$ 800. A nova direção do PT afirma que uma norma proíbe funcionários do partido de servir a dirigentes afastados e que o motorista do partido prestava um favor ao antigo dirigente.” Me engana que eu gosto… Só tem gente exemplar neste partido “do povo”. Abraços e bom dia!

  • Basneto40

    “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las”. Voltaire.
    O que se vê por aí e se for interpretar como preconceito, então não se pode mais falar sob pena se ser enquadrado como preconceituoso, homofóbico, etc. Eu não sou chegado a homosexual e não encaro como normal. O normal é o homem se ralacionar com a mulher. Porém, não dou importância, eles fazem o que quiser.
    Por falar em proconceito, o ex presidente Lulla disse no Rio Grando do Sul que “os nordestino eram feios” mas não foi cortado o direito dele dizer. Eu como nordestino, com orgulho, não gostei, mas não tirei o direito dele dizer. Portanto, vamos para de tanta hipocrisia e não tolher o direiro de expressão, que é um direito sagrado da democracia.

  • Carlos Reizenguer

    Marjorie,

    A maioria dos brasileiros não votaram na Dilma. O Lula sim, ao ser eleito teve a maioria dos votos dos brasileiros contra os votos dos outros candidatos somados.

    A maioria do povo disse não a Dilma, a porcentagem dela não lhe da o direito de se considerar eleita pela maioria dos brasileiros.

    E se é pra trazer a moral de volta pro nosso país que volte a ditadura. Onde não teriamos homens beijando homens, mulheres beijando mulheres, letras de funk pornograficas, letras de forró pornograficas, nossas crianças não deixariam as brincadeiras de roda com musicas inocentes para ouvir coisas horrendas e dança-las,mulheres que participam de surubas não posariam de paladinas do bom costume e etc…

  • Alexandre

    Jair Bolsonaro para Presidente!

    Ainda bem que temos pessoas como Jair Bolsonaro na política, poucas mas temos.

    Querem derrubar o deputado. Não conseguirão. Não deixaremos que façam, mais ainda, de nosso país um prostíbulo.

    Deputado Jair Bolsonaro, estamos com o Sr.

  • Guy Fawkes

    Concordo com o comentário do ‘fortunato’, tá aí uma opinião interessante. Diferente desse texto :P

    E vc, Marjorie, deixe de ter medinho de discutir, pq não teve nada de mal-educado ou ofensa no comentário dele. Pelo contrário, ele discordou de você e o fez de forma bem respeitosa. Te achou pretensiosa e medíocre, mas isso é a opinião dele, você não consegue lidar com isso? Ele as expressou da melhor maneira possível.

    Teu texto é lotado de falha de argumento, e você perde a noção do que é ‘democracia’ quando pergunta ‘O que é mais importante na sua ideia de democracia?’ e segue o parágrafo.

    Tsc tsc.

  • José Antero Silvério

    Sabe de uma coisa? Esses dois calhordas não merecem um discurso tão bem elaborado como este.

  • http://www.michelmarques.com.br Michel Marques

    É “veado” com “e” mesmo, segundo Houaiss, Aurélio e Francisco Borba.

    • http://ultimobaile.com Lucas Jerzy Portela

      Sinal que nenhum dos três entende nada de viadagem – e, suponho, de etimologia.

  • André

    Olá Marjorie,
    Caio agora pela primeira vez em seu blog, vinda do LLL do Alex Castro, e gostaria de parabenizá-la pelo ótimo texto que escreveu.
    Abraços

  • Fernnando

    Se não concordar com a apologia ao homossexualismo é ser homofóbico, que seja;
    Se não concordar com a apologia às drogas é ser careta, que seja;
    Mas está chegando a hora em que seremos obrigados a concordar com pedófilos, que também é uma realidade recorrente na sociedade do mundo inteiro e criaremos mais uma palavra cool: pedofóbico. E não ousem chamá-los de aberração, pois ao invés de se interessar por alguém do mesmo sexo, ele se interessa por alguém menor.
    Essa é a sociedade moderna, onde tudo pode. Só não pode contrariá-la.
    Essa é a sociedade moderna, onde o esforçado na escola/universidade é o Nerd, Cdf, etc; Enquanto o bacana é o bêbado, que “fuma um” antes da aula.

  • Gustavo

    1. A autora contraria-se ao defender que “piadinha” do Lula é menos preconceituosa que as declarações do Bolsonaro quando diz a seguir, nos itens 3 e 4, que é “improdutivo” e “infantil” apontar que o outro lado também faz piadinhas homofóbicas;

    2. A autora se contraria ao defender uma democracia em que somente a sua opinião é verdadeira e correta, sem direito ao contraditório. Caso não tenha reparado, a causa homossexual passa longe de ser uma unanimidade, em qualquer sociedade do mundo. Nesta linha de discussão, seria vetado da palavra aquele que não é favorável à descriminalização das drogas; Como em todas as discussões sem argumentos convicentes, chama de retrógrados àqueles que divergem de suas idéias.

  • Gil Bandeira

    O dep. Bolsonaro tem o direito de não concordar com o kit-gay nas escolas, casamento de Gays, adoção de crianças por casal Gay. Devemos prestar atenção que a nossa moral social preconiza a familia: o homem, a sua mulher e os filhos como ideal de vida e sobrevivência e perpetuação da sua própria espécie e não é fácil para uma sociedade tradicional, assimilar tal comportamento, como se fosse algo normal, ou que não ferisse os nossos costumes. A própria sociedade auto-regula-se por meio do Controle social, quando alguma conduta seja pessoal ou de grupo, tenta modificar ou até mesmo, sobrepor-se ao comportamento e às condutas já enraizadas, já institucionalizadas dentro dos aspectos típicos e aceitos por uma determinada sociedade.

    Também, não devemos esquecer que a nossa mentalidade cultural idealiza o sexo que procria,( o sexo bíblico de Deus ) entre um homem e uma mulher que gera outros seres, os tão esperados e amados sucessores de nossas vidas: os nossos filhos! Estes, gerados a partir de nossos genes ou adotados, mas sempre com referências de gênero masculino (o pai ) e feminino (a mãe).

    Devemos levar em conta que o instinto natural da procriação é responsável pelo povoamento na terra e talvez, em outros planetas, também. Neste caso, todo Gay, foi gerado por um espermatozóide de um homem e um óvulo de uma mulher. Daí porque, os seus pais vivem, muitas vezes em conflito, rejeitando o próprio filho Gay e achando o comportamento desse filho, algo imoral, pervertido, asqueroso, sem sentido e ainda carregam com eles uma culpa sem fim, quando se perguntam: onde eles erraram? Bem, daí podemos pensar, que se os próprios pais que amam os seus filhos, muitas vezes, os rejeitam como Gays, então porque, aquele que não é Gay deveriam ser obrigado a aceitar por imposição do Estado tal comportamento Gay, sem ao menos, poder expressar de fato o que pensa? Seria anti-natural, do pondo de vista existencialista e anti-democrático do ponto de vista político-cultural.

    Assim como os gays são livres para serem gays, o deputado Bolsonaro como um homem heterossexual, também, é livre para expressar a sua opinião sobre o assunto e inclusive, mesmo sabendo da proteção da legislação preconizada pela CF, não devemos esquecer que ele, antes de ser um homem político, é um ser cultural, cuja a sua crença não admite o comportamento Gay e ponto. O que ele não poderia fazer era perseguir os gays, usar de violência moral ( com palavras em contexto de humilhação ), ou ameçá-los, torturá-los, enfim cometer contra os Gays qualquer tipo de violência seja física ou moral. MAS ISSO NÃO ACONTECEU! Ele respondeu como pai, pois as perguntas do programa foram todas tendenciosas, pois eles já sabiam que ele era um político polêmico em relação a este assunto!!

    O Brasil é um país democrático que respeita as diversidades sim, inclusive, respeita as opiniões de seus cidadãos ou não? Liberdade de Expressão já´!

    • Claudio Azevedo

      Excelente!

  • R

    otimo post mas vim perguntar se teu site vai continuar fora do ar.

  • http://abarbosafilho.blogspot.com antonio barbosa filho

    O Noblat e seus colegas da direita-burra na mídia fingem não concordar com Bolsonaro, mas defender seu “direito à liberdade de expressão”. É o jeito de salvarem a pele do colega de ideais e ideologia. Lambedores de coturnos que são, pensam estar agradando os militares, dos quais esperam precisar em breve, para reeditar 64, o ano que para eles precisa continuar.
    Se acham que estou exagerando, respondo que estou cansado do cinismo desses falsos democratas que fazem de tudo para desmoralizar o sistema, acham nosso povo imbecil porque vota na esquerda, e preferiam que o Brasil fosse uma estrela a mais na bandeira de um país do norte. Os fascistas precisam mesmo sair do armário.

    abarbosafilho.blogspot.com

    • Fernnando

      Os comentários de todos os lados são tão injustos quanto o próprio post:
      Lutam contra o preconceito, mas taxam todos os que não pensam da mesma maneira como “da direita-burra” ou como religiosos, como se isso não fosse preconceito também.
      Eu não sou nem de direita e nem religioso e quero ter o direito de não aceitar a propaganda homossexual. Quero ter o direito a expressar esta e todas as minhas outras opinião.
      Diversidade é saber conviver não só com os viados (ou qualquer termo que queiram utilizar), mas também com brucutus, etc. Combater a intolerância com a mesma intolerância não faz sentido.

  • http://www.twitter.com/samucael Samuel Vaz

    A quem interessar possa o termo correto é “veado” mesmo, em comparação ao animal, pelo fato de ele andar em grupos compostos apenas por machos no inverno, onde todos dormem juntos, em cavernas, sem a companhia de fêmeas. É, eu pesquisei; e faz sentido…

    A discussão aqui aparentemente já se alongou bastante… A diferença entre um ato racista ou preconceituoso e o exercício da liberdade de expressão me parece algo bem difícil de determinar. E fica mais difícil ainda quando se carrega o discurso para o lado político, deixando com que as posições de cada um influenciem em sua opinião manifestada… Em resumo, direitistas por aqui defendem com mais avidez o Bolsonaro e esquerdistas o atacam com mais furor. E é assim sempre; e não estou dizendo que a autora do post fez isso… ela foi até coerente.

    Eu não sei a partir de que ponto uma declaração pode ser considerada discriminatória ou racista, deixando de ser mera manifestação da liberdade de expressão e de opinião… Sendo assim, vou recorrer à legislação atual que deixa tudo mais fácil: a lei existente no momento que menciona os crimes resultantes de preconceito é a de nº 7716/89 e os ali listados são os decorrentes de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. Opção, preferência ou condição sexual, como se preferir chamar, não é mencionada, mas os tribunais superiores já vem considerando como crime o preconceito a homossexuais, coerentemente.

    Mas como esse preconceito se manifesta? Os atos são extensos, mas vou tentar resumi-los porque eu imagino que a maioria que comentou aqui nunca deu uma olhada nessa lei:
    - negar emprego em empresa privada ou órgão público, inclusive obstando promoção, ascensão ou proporcionando tratamento diferenciado no ambiente de trabalho;
    - recusar acesso ou atendimento em estabelecimentos comerciais, esportivos, de ensino, hotel ou similares, restaurantes ou similares, clubes sociais, etc….;
    - impedir acesso a meios de transporte, entradas sociais de edifícios;
    - impedir o casamento ou convivência familiar e social;
    … e aqui vem o principal:

    - praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional (ou seja, induzir ou incitar o cometimento de um dos crimes mencionados acima) – a pena nesse caso é majorada se cometido por intermédio de meios de comunicação social ou publicação de qualquer natureza.

    Baseado nisso, eu não creio que Bolsonaro cometeu tal crime; ele é um cara ignorante, no sentido popular da acepção, mente fechada, presunçoso, imbecil, boçal e provavelmente muito chato de se conviver, além de inconveniente, como se percebeu… mas ele só manifestou mesmo sua opinião, que é preconceituosa e homofóbica, mas não criminosa, legalmente falando…

    Sendo, assim, apesar de ridícula sua opinião, ele tem o direito de manifestá-la… todos temos o direito de sermos ridículos, e ninguém tem o direito de não ser ofendido… O mundo é assim, nem todos iremos pensar como os demais e ao manifestarmos nossa opinião, fatalmente magoaremos alguém, principalmente os mais facilmente ofendidos…

    Encerrando, quero dizer que o brasileiro é sim preconceituoso e racista, e odeia admitir isso, quanto mais discutir isso seriamente… Exige punição daquele que escancara o pensamento de muitos, quando deveria muito bem guardá-lo pra si, a bem do politicamente correto. Eu não gosto de uma “democracia” assim, que prefere a hipocrisia do que lidar com seus próprios demônios…

    E antes que alguém diga que eu escrevi tudo isso, já vou dizendo que, apesar da tradição religiosa e cultural brasileira atrapalharem, tento ao máximo não ser preconceituoso, principalmente porque eu sou gay e sei o quanto é chato conviver com esse preconceito…

  • Marjorie

    R — Entrei em contato com o servidor hoje. Acho que dentro de alguns dias já deve estar no ar de novo. bjs

  • Marjorie

    Quanto ao resto dos comentários, duas considerações importantes:

    - Quanto tabu em relação a sexo, minha gente. Então o maior preocupação de alguns de vocês é o país virar “promíscuo”? Que ano é hoje, gente? Freud explica tamanho recalque. Libertem-se, gozem e sejam felizes, queridos. Vocês vão ver como é bem melhor.

    - Ninguém está querendo impor ditadura gay, ora essa. Quanto medo do outro, medo do sexo do outro. Se você é hetero (e convicto de sua orientação sexual), fique tranquilo. A concessão de cidadania plena aos homossexuais não significa que você será forçado a fazer sexo com ninguém que você não queira. A não ser que você, de fato, queira e esse seja seu medo. De provar e gostar. Aí, nesse caso, volto ao conselho do primeiro tópico: liberte-se, goze e seja feliz.

    - Comparar a homossexualidade (relação CONSENTIDA entre duas pessoas adultas) com pedofilia (relação NÃO-CONSENTIDA, desigual, que configura abuso) é a coisa mais descabida que já ouvi.

    - “Tenho o direito de não concordar com os homossexuais”. Mas, querido, do que exatamente vc discorda? Não tem do quê discordar. Afinal, os gays vão continuar existindo, quer você queira quer não. Assim como você é hetero e vai continuar existindo. Em quê exatamente as relações sexuais e afetivas DOS OUTROS te afetam? Em nada. Cuide da sua vida. Homofobia é, acima de tudo, coisa de gente futriqueira. Deixe o edy dos outros em paz =-P

    - Estamos em 2011. O conceito de família nem sempre foi “mamãe, papai e filhinho vivendo no lar burguês”. As instituições mudam, viu gente. Hoje temos configurações familiares as mais múltiplas (dois pais, duas mães, casais hetero sem filhos, mães solteiras, pais solteiros, you name it) e o mundo continua girando e funcionando muito bem, obrigado. Abram suas cabecinhas.

    • fortunato

      Marjorie, seu último comentário revela que lhe falta coerência. E maturidade para poder escrever ensaios mais consistentes. Tirando as avacalhações de praxe de alguns comentários, o tema das réplicas (a maioria contra seu post), é justamente esse do que vc disse acima. Mas vc pinta a realidade como se ela fosse de confete e algodão doce, daí sua resistência ao debate usando de termos juvenis, querendo passar que é uma “jovem descolada”: cheia de beijocas para cá e para lá, e um humor forçado de quem aceita a divergência atirando simpaticamente sobre o oponente a régua corretiva da educação.

      Também sou contra a “homofilia”. Acho passeatas gay tão ofensivas quanto hipotéticas passeatas de machões ostensivos, com cassetetes e excesso de treijeitos do Machão Reacionário. A exposição da homossexualidade como algo que deve ser engolido por ser politicamente correto, vai de contra a valores tradicionais de família e educação. Se os homossexuais podem fazer uma apologia gritante da homossexualidade, quem é adepto desses valores contrários também tem o direito de, na mesma medida, achar ESSE homossexualismo apologético algo a ser combatido. Isso nada tem a ver com violência contra homossexuais, ou que, quem defende essa visão, seja um homossexual enrustido. As coisas não são de maneira nenhuma doces, como vc quer fazer parecer. Se alguém surge na mídia se dizendo não simpatizantes de homossexuais, cai-lhe logo em cima uma tonelada de acusações e pré-julgamentos. Claro que não concordo com grande parte do que diz Bolsonaro, e o que ele disse de criminoso deve ser reparado pelos mecanismos institucionais que já vigoram no país, como o MP e o novo Código Penal.

      Vc tem muita leitura e vivência ainda pela frente para produzir um texto de relevância. Um bom começo seria: independência crítica. Siga o conselho do Said, fale a verdade ao poder, e não se vincule a nenhum corpo de ofício.

    • Fernnando

      -Não se trata de tabu. Trata-se de opinião.

      -Você achar que pedofilia é só uma relação não-consentida está desinformada. Verifique a cultura indígena. Ou assista a programas sobre a prostituição infantil e verá que o teu mundo não é tão simples.

      -Tenho o direito de não concordar como os homossexuais da mesma maneira que discordo da pedofilia. E sei que você entendeu a analogia. Mas se preferir, permita-me discordar de qualquer coisa. Sobre o que me afeta, eu lhe pergunto: O que lhe afeta um assassinato no outro lado do mundo? E por não me “afetar” diretamente tenho que conviver com isso?

      -Tão preconceituosa quanto o que o post tenta condenar, taxar de burguês, ou de direita, etc, na sua lógica “anti-preconceituosa” que pensa ter, deveria ser banida da democracia que diz defender.
      Mas…
      “You measure democracy by the freedom it gives its dissidents, not the freedom it gives its assimilated conformists”.
      Abbie Hoffman

  • Marjorie

    Fortunato, meu amor, quem define o que é relevante não é você. Daniel, editor do Amálgama, considerou meu texto relevante. Diversos leitores e colegas consideraram meu texto relevante.

    Se não fosse relevante, você não estaria aqui voltando over and over para comentar e soltar perdigotos. Isso é sinal de que o texto te incomoda. Ora, quando algo não é relevante, não é digno de nota, a gente simplesmente não presta atenção. O que, claramente, não é o que você está fazendo em relação a mim.

    Você se importa, sim Acha o texto relevante. Porque ele representa uma visão que te incomoda, que lhe faz sentir ameaçado. Então, numa tentativa de silenciar o discurso que lhe incomoda, vem com essa estratégia tacanha de desqualificar o texto, de querer tirar validade dele, através da desqualificação da autora. Wikipedia procê, meu bem: http://pt.wikipedia.org/wiki/Argumentum_ad_hominem

    E, se te respondo com mil beijocas, é porque não acho mesmo que seja válido qualquer debate a sério com você. Só existe diálogo quando ambos estão interessados em ouvir e respeitar o outro. O que você não tem feito, desde o começo. Então, né? Desse tipo de coisa, eu só faço mesmo piada.

    Mais uma beijoca procê.

    • Fernnando

      “Então, numa tentativa de silenciar o discurso que lhe incomoda, vem com essa estratégia tacanha de desqualificar o texto, de querer tirar validade dele, através da desqualificação da autora”.
      “Só existe diálogo quando ambos estão interessados em ouvir e respeitar o outro”. E o teu post sobre o Bolsonaro?
      Será que esta Marjorie é a mesma que escreveu o post sobre a opinião do Bolsonaro?

      • Marjorie

        Será que a pessoa que assina com o nome de Fernando leu bem a parte do texto que diz que manifestações de ódio, que classificam como inferiores as atitudes ou características de um grupo, não podem ser classificadas como reles “opiniões”?

        Te dou todo o direito de manifestar a OPINIÃO que quiser. E estou de ouvidos abertos, sinceramente. Mas manifestar que um determinado grupo da população é inferior e/ou não merece o mesmo tipo de cidadania que os demais já não é opinião. É discriminação.

        É tão difícil assim entender algo tão básico? Você NÃO TEM o direito de discriminar ninguém. Ponto. Vivemos numa democracia onde todos pelo menos deveriam ser iguais perante a lei, salvaguardadas suas especificidades; democracia esta signatária da declaração de direitos humanos. Então, não, honey, sua “opinião” não é válida.

        • Rafael

          Justamente Marjorie, os negros e homossexuais são iguais a nós!

          Concordo plenamente!!!

          É por isso que o conjunto de leis que regulam os heterossexuais e brancos servem também para proteger os negros e/ou homossexuais.
          Não precisamos de castas em nosso país.

          Quem se sentiu injuriado por Bolsonaro é livre para acionar a justiça contra aquele imbecil.
          Querer cassá-lo sem nem haver um julgamento já é outra história.

          É coisa de tiranetes feito você que só estão (realmente) abertas para escutar a própria voz.
          Além do que já começaram a falar que o doente do Bolsonaro fez apologia à tortura de gays, pelo amor de Deus, só em uma cabeça prejudicada que “dar tapa no filho” é igual a tortura.

          Quando criança apanhava da minha mãe por ser arteiro, e não acho que isso prejudicou minha formação de caráter, pelo contrário, hoje estamos vendo um monte de crianças crescendo sem limites.

          Na cabeça doentia de Bolsonaro, a homossexualidade nada mais é do que um desvio na educação e, portanto, algumas “palmadas” resolveriam a questão.

          Dizer o quê?
          O cara é um ignorante.

          Mas em uma democracia, querida, até os ignorantes tem direito a liberdade de expressão.
          Felizmente ela não é exclusiva de gente feito você,

  • Luiz Claudio

    Que coisa engraçada !!
    A democracia que essa jornalista quer é a mesma que muitos lutaram contra. Ela quer ouvir apenas o que soa agradavel aos ouvidos dela !!!
    e as opiniões ao contrário?
    Bem, para mim e para todos, eu quero a democracia na qual todos podem e devem falar, ver, ouvir e escrever sobre tudo e sobre todos.
    Se continuar com essa babaquice, ainda vamos ter que chamar o jogador Negueba de Afrobrasileireba só pra agradar os chatos de plantão.
    Não estou defendendo nem A nem B, estou defendendo o direito de ouvir e falar, ler e escrever, ver e ser visto sobre tudo, inclusive as coisas que mais abomino.
    O politicamente correto está sendo usado para cercear os direitos. Fora com o patrulhamento de todas as origens.

  • Magno RA

    Cara Marjorie…

    Nao sou digno nem sou perfeito. Mas sou cristao biblico e meu pastor eh o Senhor. (o que serve para o padreco e seus cardeais que, nao fazem outra coisa a nao ser envergonhar ao Altissimo, ante suas opinioes e posicoes.)
    Simplesmente nao me importo se A, B, C ou voce preferem Nietzsche, Freud, Marx ou qualquer outro sofista, criado, financiado e mantido pelo lado Negro e condicionador de nossa civilizacao. Apesar de nao haver merecimento em mim, eu prefiro a verdade e sabedoria insofismavel contidas nas Palavras do meu Senhor.

    Bolsonaro eh so um idiota, principalmente ao considerar os proprios filhos como algo perto da perfeicao… que ingenuo. (ou que mentiroso!). Militares sao imbecis que nao desenvolveram parte do cerebro nem do coracao e sao apenas fantoches (para nao dizer caes) da corja rapinadora que domina a riqueza e o poder no mundo. A Revolucao de 64 so serviu para isso: Para roubarem de uns e repassarem para outros as riquesas de nossa nacao. Assim com o fazem no Afeganistao, Iraque e Libia. E idiotas como nos ficamos discutindo uma esquerda ou direita ficticia, enquanto a Cia, Roberto Marinho, ACM e tantos outros enriqueciam soberbamente a ponto de se tornarem o quarto poder de nossa Republica. E por mais que inventem historias, planos Cohen e primeiros-de-abril ele sao apenas ladroes e nunca deixaram de se-los. E que Satanaz os tenha como lhe eh de direito.

    Voce nao Marjorie. Voce eh terra fertil. E isso lhe tira o direito de ser inconsequente com seus atos e opinioes.
    Voce ja imaginou se o mundo se tornar isso que “de mente aberta” voce mesma projetou para a sociedade?
    Voce sabe mesmo o que eh homossexualismo, suas caracteristicas e bases?
    A excecao de seu cabeleireiro engracado e simpatico voce ja convivieu de perto com esses, tambem, filhos de Deus?

    Deixo bem claro que nao sou contra o homossexual. Nao sou menos pecador e nem melhor que qualquer um deles. Sou contra o homossexualismo e seu poder extremamente danoso. Dito isso e deixando claro que em toda regra ha excecao, elencarei umas questoes que ninguem, em sã consciencia, pode deixar de considera-las na hora de formar uma opiniao sobre a adocão de criancas por homossexuais.

    Primeiramente, uma das caracteristicas !historicas! do homossexualismo eh a PEDOFILIA. Desde remotos tempos ouve-se e leem-se relatos dos jovens mancebos que serviam a generais, imperadores, autoridades religiosas, etc. Sim. A pedofilia eh uma forte caracteristica que pesa contra a homossexualidade. Lembra-se dos padres? E o que não farão os não religiosos? Nao tape o Sol com a peneira. Homossexuais apreciam, desejam e preferem a beleza juvenil a qualquer outra.

    Outra caracteristica eh a PROSTITUICAO. Nenhum homossexual consegue esses rapazinhos ambiciosos de graca. E TODO mundo sabe disso. E isso, asssim como a Pedofilia, nao eh Crime?

    Outra caracteristica eh a IMORALIDADE e PROMISCUIDADE. As relacoes homossexuais, nao privam pela fidelidade e muito menos proporcionam bons exemplos.

    Podeiria ainda discorrer sobre muitas caracteristicas, mas prefiro que voce(s) leia este texto e comentarios que falam por si sos. ( http://acapa.virgula.uol.com.br/colunas/destaques-gls-por-que-somos-hienas/10/68/6977 ).

    Nao tenho resservas quanto a casamento homossexual e respeito, compreeensao e amor todo ser humano merece. Mas Marjorie… O errado eh errado e o certo eh certo desde que o mundo eh mundo e isso nunca mudou nem mudara. A pretexto de modernidade, nunca permita que uma crianca passe por algo assim. Com sua forca e influencia, proteja os pequeninos que nao tem culpa de nossas escolhas e incosequencias. O risco que correriam seria muito grande e os beneficios duvidosos se submetesse-mos eles a uma “familia” tao exdruxula. Nao se coloca lobos e cordeiros sob um mesmo teto.

    Deus seja contigo.

    Ah! Nao usei palavras biblicas em em minha dicertacao primeiro porque o mal eh tao obvio que nem precisou… e a Palavra nao foi feita para ser repetida e sim praticada. E segundo porque nao se da perolas aos porcos e aos caes o que eh sagrado. Quem quiser que faca como se faz com toda coisa boa.. Busque-a!

    • http://index.opsblog.org/ Daniel

      Sei. E a vida começa na ereção.

  • http://turismoeparadigma.blogspot.com/ Turismo e Paradigma

    Bolsonaro não quer se expressar. Ele quer aparecer. E além disso, criar ou impedir leis que transforme o Brasil num país justo. Isso sim. Por isso, como diz a autora, falar merda em público não é um direito.
    Gustavo MB

    • Claudio Azevedo

      Quem fala M e quer aparecer eh a Preta Gil. Nao gostei do que voce disse, mas gostei do blog Turismo e Paradigma. Gde abraco!

  • Rafael

    A sociedade que a autora quer é qualquer coisa, menos uma democracia.
    Pode ser, como o Noblat disse, um Fascismo do bem.

    Os donos do poder ditam o que é “bom” e que “respeita os direitos humanos”, em uma democracia, gente como o Bolsonaro é punida pela sociedade através do voto, não pela filhote de ditadora do turno.

  • Pingback: Marjorie Rodrigues » Blog Archive » Carta a Noblat

----- Consulte os arquivos do Amálgama ||| Publique ||| Contato ||| Para reproduzir nossos textos -----